domingo, 30 de janeiro de 2011

E, novamente, uma (in)compreensão sobre a infinitude a partir de Bauman


Retomei algumas de minhas leituras favoritas enquanto não volto para os estudos de minha Tese de Doutorado. Há algum tempo, tracei (ou tentei) os conceitos operacionais de Eternidade e Infinitude nesse Blog. Essa semana deparei-me com as palavras de Bauman sobre esse último fenômeno citado - Infinitude. Para esse Sociológoco, a ordem dessa expressão está na inabalável crença da imutabilidade. A Infinitude é uma manifestação que pertence à ordem divina e não humana. Por esse motivo, permitiu-se, a partir do imaginário social, que as pessoas pudessem crer nos planos traçados - ainda que desconhecidos - por Deus. Entretanto, essa ordem supra-sensível, imutável e inabalável ganhou, dentro da perspectiva humana, um oponente admirável: a nossa falibilidade. Na medida em que se vive dentro de um mundo globalizado, dos quais as pessoas se comunicam, mas não se conhecem e não desejam enfrentar a profundidade dos olhos e emoções alheias, e, também, da intolerância sobre o valor da vida, a Infinitude se perde no Mundo Líquido-Moderno. As relações humanas se tornam frágeis, o contato é trocado pela alta velocidade - e quantidade - de informações trocadas a cada segundo (veja-se o Facebook, por exemplo). A cada Turista no mundo, como diria Bauman, surgem mais e mais refugos humanos. Os vagabundos, conforme sua própria classificação, são mais abundantes, frustrados, castrados de sua própria liberdade e sonhos. A Infinitude deixa de ser aqueles espaço no qual cada um será recompensado por seus esforços, mas, ainda, tudo o que se faz - bem ou mal - tem seu lastro de importância - E DEVE TER. A indiferença não pode transitar livremente no mundo humano e permitir a deterioração daquilo que tem a capacidade de nos unir. Apesar de TUDO no mundo Líquido-Moderno ser, aparentemente, descartável, INCLUSIVE TODOS NÓS, existe, quem sabe, um pequeno lugar que reconheça o valor da diferença como modo de se enxergar, com maior nitidez, nossa humanidade: A ALTERIDADE. Seria esse o patamar de vida procurado por todos, protegido pela Infinitude, mas, também, EN-coberto pelo véu de Ísis? Deixo a resposta para a imaginação de cada leitora e leitor...

4 comentários:

  1. Olá, meu nome é Amanda me interessei muito pelo seu post. Gostaria de obter mais conhecimentos sobre seu assunto, até mesmo para compreender melhor, Obrigada pela oportunidade, por esse espaço sobre assuntos que realmente são importantes!

    Amanda Silva.

    E-mail- Amandadeeplee@hotmail.com.

    ResponderExcluir
  2. Professor Sérgio,

    O seu texto é tudo que queria ler, e mais refletir o que amadureço em idéias e convicções futuras.
    "A indiferença não pode transitar livremente no mundo humano e permitir a deterioração daquilo que tem a capacidade de nos unir." BRAVO
    Aplaudindo de pé. Magistral sua escrita.
    Beijos de Luz!

    ResponderExcluir
  3. Post indescritível...vou colher no meu blog.
    lindo, lindo!

    ResponderExcluir
  4. Estimada Érica

    Sabes que a casa é sua. O que puder lhe ajudar, fique à vontade.

    Abração

    ResponderExcluir